sexta-feira, 14 de maio de 2010

Qual é o tipo de piso mais adequado para cada ambiente da casa?




Mais quente e agradável para pisar descalço, a madeira é muito desejada nos quartos

Para analisarmos a melhor opção para cada caso, o ideal é dividirmos o imóvel em três grandes áreas: íntima, social e áreas molhadas (banheiros, cozinha e lavanderia, basicamente). Essa divisão é interessante, pois cada um desses espaços requer pisos com características diversas. Os pisos são agredidos diariamente por diversos fatores: alto tráfego, água, gordura, materiais de limpeza, sol constante, saltos tipo agulha dos sapatos femininos, carrinhos de bebê, patas dos cachorros, tintas, vinho, etc. Veja com atenção qual é a agressão mais frequente em cada ambiente para que a escolha do material seja a mais acertada.
Para a área íntima, podemos utilizar materiais quentes e aconchegantes, como a madeira, materiais mais frios, como as cerâmicas, pisos monolíticos ou ainda os carpetes, carpetes de madeira, pisos de borracha entre outros. Esta área pode receber diversos tipos de revestimento, já que o tráfego costuma ser baixo e a resistência à água não é um problema aqui.
Pisos quentes
A madeira é um material muito desejado nos quartos, já que é mais quente, agradável para se andar descalço e reflete intimidade. Se for a sua escolha, dê preferência para as certificadas, que agridem menos o meio ambiente, e cuidado com as espécies muito moles como, por exemplo, a amendola. Este piso pode ser composto por grandes peças de diferentes larguras, o assoalho, ou peças menores, comumente chamadas de tacos, tacões, taquinhos e parquets.
Enquanto o assoalho geralmente é instalado com parafusos que unem as tábuas a uma estrutura secundária ligada à laje (os populares barrotes), os tacos são normalmente colados diretamente no contra piso. Após a instalação, as peças devem ser lixadas e receber como acabamento algum verniz protetor. No mercado há vários tipos deste material de diferentes marcas. Há também os chamados pisos prontos, que já chegam à obra acabados e dispensam o trabalhoso acabamento do piso “in loco” – raspagem e o tratamento. A madeira é ainda um piso que se comporta bem nas áreas sociais dos imóveis. Para as áreas molhadas não é o mais indicado, já que não lida bem com a umidade. Neste caso, se não tiver um projeto muito bem elaborado, você corre o risco de ver o seu piso empenar ou descolar.
Alguns materiais como os carpetes, os pisos de borracha ou os laminados, popularmente conhecidos como carpetes de madeira, podem ser boas opções se a idéia é ter um piso quente, num local que não é sujeito à incidência de água (com exceção dos pisos de borracha, que são impermeáveis). A grande vantagem desses pisos é a rapidez da instalação. Geralmente chega à obra em mantas, rolos ou placas que são coladas rapidamente sobre o contra piso. Muitas vezes podem ser aplicados sobre o piso existente, evitando o quebra-quebra e acelerando a obra. Entretanto, muito usados nos anos 1980, os carpetes são condenados por muitas pessoas com problemas respiratórios (apesar de existir uma série de produtos antialérgicos no mercado). Os pisos laminados não têm este problema, mas a sensação de se pisar em uma superfície mais mole do que um piso de madeira verdadeiro, assim como a aparência um tanto artificial pode desagradar.

As cerâmicas, porcelanatos e pastilhas de vidro são as mais indicadas para as áreas molhadas
Pisos frios
O clima local é um fator importante na escolha do melhor revestimento. Regiões mais quentes sugerem pisos mais frios. Os pisos cerâmicos e os porcelanatos podem, neste caso, ser uma boa opção. O Brasil é um grande produtor destes materiais e as opções são inúmeras, com várias cores e tamanhos. Como dica, evite peças que imitam (às vezes de forma grosseira) materiais como a madeira e as pedras para não correr o risco de a sua casa ganhar uma aparência datada ou fora de moda em pouco tempo. Estes materiais têm texturas naturais próprias difíceis de serem reproduzidas pelas cerâmicas. E, afinal, se você deseja pedra ou madeira, compre pedra ou madeira e não algo que os imite.
Pisos claros, neutros e com texturas discretas tendem a se comportar melhor ao longo dos anos. Tome cuidado ainda ao revestir toda a sua casa com determinada cerâmica ou porcelanato. Dependendo da escolha, você pode se sentir morando numa grande cozinha ou banheiro. Alterações de revestimentos em alguns ambientes podem ser benéficas. As cerâmicas, porcelanatos e pastilhas de vidro são também as mais indicadas para as áreas molhadas, já que lidam bem com a sujeira e a água. Preste atenção ainda durante a compra para a correta escolha da argamassa de fixação (cada piso tem a sua adequada, com características físicas e químicas específicas) e para os rejuntes. Estes são disponíveis em cores e composições diversas. Consulte um bom vendedor na hora da compra e veja o que melhor combina com a cor de piso escolhida.
Com funcionamento semelhante às cerâmicas, as pastilhas são muito usadas no país desde a década de 1950. Podem ser constituídas de vidro ou cerâmica, apresentam-se em diversos tamanhos e, ao contrário das cerâmicas tradicionais, a sua instalação requer profissionais muito mais especializados. Mais vistas em cozinhas, banheiros e piscinas, as pastilhas podem ser utilizadas em qualquer ambiente. Entretanto, tome cuidado ao revestir o piso e todas as paredes de um ambiente com pastilhas, sob o risco de você acabar se sentindo eternamente dentro de uma piscina.


Pisos à base de cimento podem ser utilizados em toda a casa, o único porém são as trincas
Sem rejuntes
Os pisos monolíticos são outra gama de revestimentos mais frios que podem ser usados em toda a casa. O popular cimento queimado é o mais conhecido destes materiais, mas no mercado há o cimento polimérico, o microcimento, o granilite, o fulget, o piso epóxi, entre outros. A grande característica deste tipo de piso é agradar àqueles que não gostam dos rejuntes. Neste caso, algum material líquido à base de cimento ou resina, misturado com aditivos ou pequenas pedras, entre outras coisas, é moldado diretamente no local. Quando seco, transforma-se numa superfície uniforme e livre de rejuntes. Dependendo da escolha, juntas de dilatação de plástico ou metal são necessárias a cada um ou dois metros, em ambas as direções do piso, para que se evitem trincas na superfície. As trincas são a grande desvantagem desse tipo de material, já que aparecem na grande maioria das vezes em que estes são utilizados. Ao escolher um piso monolítico, esteja preparado para a possibilidade de conviver com elas.
Outros pisos à base de cimento, as placas de concreto e os ladrilhos hidráulicos, são muito utilizados atualmente, principalmente em salas e cozinhas, já que são muito resistentes e de fácil manutenção e limpeza. As placas são relativamente novas no mercado e chegaram com a missão de garantir a aparência do piso de cimento queimado, o caráter mais homogêneo da superfície e, ao mesmo tempo, impedir trincas. Estas placas têm normalmente dimensões grandes (0,50 m por 0,50 m a 1 m por 1 m). Como a maior parte dos fabricantes produz este material de modo artesanal, tome cuidado na instalação, pois as placas costumam variar de tamanho e espessura e, caso a mão de obra não seja especializada, é grande a chance de acabar com um piso desnivelado, cheio de pequenos degraus.
Muito usados na nossa melhor arquitetura moderna, os ladrilhos hidráulicos nada mais são do que pequenas peças (20 cm por 20 cm normalmente) produzidas de modo semi-artesanal à base de cimento. Chamam-se ladrilhos hidráulicos, pois a cura do cimento acontece debaixo d’água no processo de fabricação do ladrilho. Vários motivos e colorações podem ser escolhidos e o material permite a produção de peças com desenhos sob medida em pequenas quantidades. A instalação precisa ser muito cuidadosa, a variação da espessura das peças deve ser observada e corrigida pelo colocador e resinas incolores de proteção são indicadas para impermeabilizar as peças e reduzir a incidência de manchas ao longo dos anos.
Por fim podemos falar das pedras, os mármores, granitos e outras pedras decorativas como a Goiás, Mineira, São Thomé, Arenito e tantos outros. Por ser um material ainda mais frio que a cerâmica, é pouco usado nos quartos. Quando for usado em cozinhas e ambientes sujeitos à sujeira e gordura, deve-se tomar cuidado com a porosidade da pedra escolhida, já que algumas mancham facilmente e assim ficam para sempre. Resinas impermeabilizantes podem ser aplicadas sobre o material para evitar a absorção de líquidos que danifiquem as peças. Os mármores são aplicados frequentemente em áreas menores, como os banheiros, já que a sua grande desvantagem é o alto custo, tendo em vista que muitas vezes trabalha-se com material importado. Entretanto, pela sua grande resistência e durabilidade, as pedras podem ser utilizadas em quase todos os ambientes de uma casa. As cores, texturas e possibilidades de tratamento são inúmeras, o material é resistente à incidência de água e pode ser cortado em peças de grandes dimensões.

As opções e as combinações de materiais nos pisos são, portanto, infinitas. Para a melhor decisão, analise o local em que o piso vai ser instalado e o comportamento de cada material. Veja se é quente ou frio, se resiste ou não à água, veja a cor, a textura. Procure sempre conversar com algum profissional da área ou com vendedores experientes. Afinal, não existe material ruim, o que existe é um material mal utilizado.
Fonte: UOL